Postagens

Mostrando postagens de Maio 30, 2015

Torta de amora

PUC: bispos rejeitam Michel Foucault#tvCarta Após atingir o mérito de hospedar uma cátedra universitária, com áudios do filósofo Michel Foucault, o cardeal e os bispos da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo rejeitaram o material com a justificativa de que os pensamentos do francês conflitariam com os da instituição católica.Uma cátedra universitária é uma instância acadêmica destinada a fomentar o debate em torno de alguma figura que se destacou em algum campo do conhecimento.
Posted by CartaCapital on Sexta, 29 de maio de 2015

Torta de amora
(André Anlub - 14/11/13)

Renasce com o dia a serenidade,
Que buliu com o ontem fazendo o momento,
Esculpindo o hoje de um modo mais tenro,
Fundindo o amor e rejuvenescendo.

Seduzido no deserto pela miragem,
Fica quase abolida a palavra “sozinho”.
Mil dentes surgem sem prévia censura,
Fazendo abrigo no corpo vizinho.

Fez-se vida no horizonte do sortilégio,
Jogada ao vento no intento da vela.
As águas singelas, um sol amarelo,
Nos pés os chinelos de co…

Dueto da tarde (CLXIV)

Imagem
Dueto da tarde (CLXIV)

De frente para o que ficou para trás, olha e fecha os olhos.
Mais um trago, mais um rasgo no peito. Deita-se e grita.
As paredes absorvem seu grito. As externas. As internas não absorvem sua aflição.
Sua intenção é disfarçar o momento... É tudo em vão.
Pelo vão dos dedos escapa o que poderia. E o que poderia? Apenas gritando, o que poderia?
É malandro, mas ainda não aprendeu a malandragem; é do povo, mas ainda não aprendeu a comunhão.
Com teorias enche um balde., Com soluções caseiras enche outro. E vai deixando os baldes pelo caminho, como quem recolhe pingos de goteiras.
Os olhares enxerga a vida; disso é a única e básica certeza. De resto vem à clareza de nada estar claro. Mas a vida continua.
A vida não só continua como não para. Não existe parem o mundo que eu quero descer. Mas ele grita.
Parem o mundo que eu quero descer: isso não é só uma frase – desabafo – uma música, é a realidade de muitos... É só parar e ver.
E é só não parar, é só continuar andando e chega-se a…

Mar de doutrina sem fim

Para quem trabalha, ou não, com a linguagem, é um video interessante.via Paulo Antonini:
Posted by Mano Melo on Sexta, 29 de maio de 2015

Mar de doutrina sem fim      
(André Anlub - 12/5/14)

Houve aquele longo eco daquele verso forte desafiador;
Pegou carona na onda suntuosa de todo mar agitado:
- fui peixe insano com dentes grandes e olhar de bardo;
Fui garoto, fui garoupa, fui a roupa do rei de Roma...
E vou-me novamente mesmo agora não sendo.

Construo meus barcos no sumo da imaginação:
(minhas naves, pés e rolimãs),
E como imãs com polos iguais, passo batido... 
Por ilhas virgens – praias nobres – boa brisa;
Quero ancorar nas ilhas Gregas, praias dos nudistas e ventos de ação.

Lá vem novamente as velhas orações dos poetas,
A tinta azul no papel árduo
E vozes roucas das bocas largas,
Mas prolixas: mês de maio, mais profetas.

E houve e não há, o que foi não se repete;
Indiferente das rimas de amor – vem outro repente...

O mar calmo oferece amparo:
- sou Netuno e esqueci o tridente,
Trouxe um riso com t…

Dueto da tarde (CLXV)

Imagem
Dueto da tarde (CLXV)

Um dia depois de um dia que não precisaria ter acontecido.
Um dia para entender que qualquer dia pode acontecer.
Hoje cabisbaixo e desgostoso não consegue se olhar no espelho.
E o espelho era o mesmo ontem, vai continuar sendo o mesmo amanhã.
Brigou com sua vida, tentou entender e não entendeu, ficou de mal com o mundo e em um surto desfaleceu.
O mundo não foi juntá-lo. Ninguém do mundo foi juntá-lo. Teve que se reerguer sozinho.
Organizou o que restou de suas forças, ergueu a cabeça e foi encarar seu juízo no espelho.
Não era um juízo final, nunca será. Também não era o perdão, a remissão, a condenação afastada. Era apenas olhar. E ele olhava.
No inicio não gostou do que viu, mas logo veio um discreto sorriso. Ficou corado... Não se sabe se por vergonha ou a força que voltou.
Do chão ninguém passa. E só os fracos fecham os olhos ou viram as costas para o espelho.
Um dia depois de um dia que mais parecia uma noite. O sol e seus olhos voltam a brilhar.
Reconhece. Já viu o sol…