Postagens

Mostrando postagens de Julho 9, 2015

manhã de 9 de julho de 2015

Imagem
Na ponta da língua os amores; no resto da boca as paixões
(manhã de 9 de julho de 2015)

Já não seria de ontem, de hoje, tampouco sonho ou alucinação. Vejo os sorrisos e os prantos, juntos, balanceados e divididos pela emoção. É digno como pimenta calabresa temperando meu peixe de domingo – de segunda –, até sexta. Fato armado, direto, explícito... Poesia faz isso comigo: me esfaqueia, me beija, quebra meu queixo com um soco direto no queixo – nem me queixo –, me quebra ao meio, me quebra em meio à calmaria – quer que eu chore ou ria –, me flecha e me fecha com uma placa escrito: rua sem saída (mas com saída... e muitas, de todos os jeitos). O básico já estaria de bom tamanho: amá-la mais que tudo. Mas vislumbra-se mais e mais, vislumbra-se tudo – goiabada com queijo, e de búfala. Facas, faces, inicialmente e finalmente nas entrefazes da escultura do próprio ser; seria um ser mutante? Seria um ser pensante? Já não se sabe o que seria e nem sei o que eu seria sem poesia (e nem quero saber…

Hakuna Matata

Imagem
Uma filmagem que revela a rotina nos campos de trabalho forçado durante a Segunda Guerra Mundial foi descoberta por uma...
Posted by TV Brasil on Quinta, 9 de julho de 2015

Hakuna Matata            
(André Anlub - 1/4/12)

Todos nós temos nossos gritos de guerra. Uns saem com veemência do âmago e atinge altas altitudes, outros são soturnos, mas nem por isso tem menos força; cada qual depende das pessoas e suas vicissitudes; a cobrança exacerbada e permanente que passamos na nossa vida.
Algumas portas que não se abrem e algumas estradas sem saída... fazem cada vez mais ser comum a convivência com tais gritos; quem nunca sentiu aquela imensa vontade gritar bem alto... a cada lágrima de amor que cai em insistência... cada punho cerrado de raiva por um calote que levamos... os inúmeros deboches estampados na cara da vida... mesmo sabendo que tudo é intrínseco desde a nossa nascença. Cada qual encara os problemas da sua maneira; o tropeço jamais deve merecer apreço; o inimigo jamais deve traze…

Boneco de engonço

Imagem
Boneco de engonço

Vivia teleguiado pela mídia e suas filiais
Encontrava resposta para tudo nos seus tele jornais
Indignava-se e sozinho resmungava sobre o bem e o mal
Sua opinião mudava conforme ele mudava o canal.

O ibope era o único divisor de águas que havia
As palavras saiam ao vento diante da televisão
Não sabia que era um atrapalhado boneco de engonço...
Nem que estava em cárcere com a corda no pescoço.

O pior cego às vezes é o que quer ver
Regando as mazelas da vida e as vendo crescer
Sem saber que muitas informações são manipuladas
E outros mil escândalos nunca darão em nada.

Temos que esmiuçar sempre o conhecimento
Lendo e relendo o que sabemos ter idoneidade
Saindo dos muros de letras que nos prendem em nossas cidades
Indo voar e se banhar em outras chuvas e ventos.

André Anlub (2011)