Postagens

Mostrando postagens de Julho 30, 2015

Em tempo hábil

Surfe feminino de qualidade. Conheça a cidade aonde Silvana Lima nasceu e um pouco mais sobre a sua história. Logo mais, às 19h30, tem episódio do No Meu Lugar. Veja mais: http://bit.ly/1LTaCJf
Posted by Canal OFF on Quinta, 30 de julho de 2015

Em tempo hábil        
(André Anlub - 27/1/15)

Fiz-me um Monge, tornei-me melhor e deduzi:
Tudo sempre esteve aqui, no “inside”.
Agora, mais velho,
Descobri que aquilo não era esperteza, e sim covardia.

Agora tenho o hábito de seguir meu caminho,
Escolho muros e morros e encaro o vendaval...
O aval alheio e o olheiro não me ferem,
E que se ferrem a frase feita e o sorriso banal.

Gente grande que não perdeu o seu ser guri interior;
Com o odor de alfazema fez-se a cama para nós dois.
Há lençóis de puro linho; há o ninho de desatados nós;
Voo das aves livres e os alvitres e os entraves e os sonhos e o etecetera e tal.

Fiz-me de Santo, mas não deu muito certo; o esperto no ímpeto se envolve no manto preto da cama com a amada acalorada e a recipro…

Da arte

Imagem
Da arte
(20/3/12)

Primeiro marquei meu horizonte
Em um traço negro em declínio,
Deixo a inspiração fazer domínio
E depois me embriago na fonte.

Pintores são fantoches e fetiches,
Sobem em nuvens, caem em piches;
Respiram a mercê de sua cria,
Bucólicos profetas à revelia.

Tudo podem e nada é temível,
Nem mesmo perderem o dom,
Sabem o quão infinito é o tom.

Seus corações de loucos palpitam
E no cerne que eles habitam
Saem às cores do anseio invisível.


A arte é muito além do coerente, é avesso e infinito, é forma ou desforma; a arte não se envolve com quaisquer opiniões, existirá de qualquer forma.

Manhã de 30 de julho de 2015

Imagem
É importante saber em qual lado do disco está sua música preferida.
(manhã de 30 de julho de 2015)

                   Sendo nossas almas transgressivas rompemos o cordão de isolamento; mas dado esse inusitado momento, ficamos com os rostos embasbacados, pois apenas trocamos os lados. E assim, com esses versos singelos, começo os rabiscos de hoje. Bem cedo, logo após o café, fui fazer minha meditação (por enquanto apenas dez minutos em média). Larguei os pensamentos ao vento (coisa corriqueira, mas não desse modo), e esvaziei a cachola. Fui indo longe, longe... Mas a memória me furtou a tranquilidade e também a cena: lembrei-me de quando era moleque – uns treze ou quatorze anos –, voltava sempre da matinê da discoteca Help, na avenida Atlântica em Copacabana, e íamos (a turma do Bairro Peixoto) ao Mc Donald’s da rua Hilário de Gouveia; eu sempre estava sem dinheiro, então foram muito raros os momentos em que eu comi algo por lá (nem a casquinha de sorvete que era, na época, o produto mai…

Mar de doutrina sem fim

Imagem
Mar de doutrina sem fim
(André Anlub - 12/5/14)

Houve aquele longo eco
Daquele verso forte desafiador;
Pegou carona na onda suntuosa
De todo mar agitado.

Fui peixe insano com dentes grandes
E olhar de bardo;

Fui garoto, fui garoupa,
Fui a roupa do Rei de Roma...

E vou-me novamente mesmo agora não sendo.

Construo meus barcos no sumo da imaginação:
(minhas naves, pés e rolimãs).
E como imãs com polos iguais, passo batido... 
Por ilhas virgens – praias nobres – boa brisa.

Quero ancorar nas ilhas Gregas,
Praias dos nudistas e ventos de ação.

Lá vêm novamente...
Velhas orações dos poetas,
A tinta azul no papel árduo
E vozes roucas das bocas largas,
Mas prolixas:
Mês de maio, mais profetas.

E houve e não há, o que foi não se repete;
Indiferente das rimas de amor...
Vem outro repente...

O mar calmo oferece amparo:
Sou Netuno e aposentei o tridente,
Trouxe um riso com trinta e dois dentes;

Sou mistério que mora no quadrado de toda janela,
O beijo dele, dela,
Da alma ardente que faz o mar raro.