Postagens

Mostrando postagens de Agosto 5, 2015

Morreu a escritora e artista visual Ana Hatherly

Imagem
Inspirado na Ana Hatherly:

Seu amor me implantou uma espécie de dormência,
Algo incômodo que carrego junto à carência. 
Amor fantasiosamente assombroso – casto colosso,
Que me pisa impetuosamente com pés quilométricos
E me acende o sorriso mais um par de vezes.

- André Anlub

"Morreu a escritora e artista visual Ana Hatherly, nascida no Porto em 1929, Ana Hatherly teve um percurso transversal no cinema, artes plásticas e prosa. O seu nome está inscrito na vanguarda da poesia."


A poesia entra em luto!



Saiba mais:http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/morreu-ana-hatherly-a-pintora-da-palavra-1704158
Esta Gente / Essa Gente
O que é preciso é gente  gente com dente  gente que tenha dente  que mostre o dente 
Gente que não seja decente  nem docente  nem docemente  nem delicodocemente 
Gente com mente  com sã mente  que sinta que não mente  que sinta o dente são e a mente 
Gente que enterre o dente  que fira de unha e dente  e mostre o dente potente  ao prepotente 
O que é preciso é gente  que atire for…

manhã de 5 de agosto de 2015

Imagem
Aquele tal abismo: não sei se me encara, pois há um venda em nossos olhos.
(manhã de 5 de agosto de 2015)

                      Foge daqui, dali, e vai fugir do próximo planeta que descobrirem. A opção não é pular do penhasco, tampouco tentar voar sobre ele (em pessoa física); talvez um salto de base jumping; a opção “fugir” está ligada, o botão colado com supercola e funcionando em duzentos e vinte volts. E agora, será que há um meio de não fugir da questão? mesmo em casa, deitado na cama, bebendo suco de limão e assistindo um show de reggae, a questão me persegue. Ela vasculha minhas gavetas e deixa recado; ela abre meus armários e deixa recado; vai nos meus potes de tinta, no rolo do papel higiênico, vai na caixinha de remédios, se infiltra nas minhas imagens dos santos, nos meus perfumes e rascunhos de rabiscos. Está em tudo e todos. Fico assustado de pensar na vida que segue; não que esteja ruim, tampouco eu esteja infeliz, é que crio universos paralelos, mundos possíveis e passive…

Há de se ter vida

Posted by Por um Rio Capital da Poesia on Quinta, 9 de julho de 2015

Há de se ter vida        
(André Anlub - 23/4/12)

Ele chora, está com medo,
Com frio as lágrimas gelam.
No refugio do campo de trigo
Senta e sente o vento soprar.

Ele já foi louco, já foi vertigem,
Caçador de próprias luas,
Poeta de penas e plumas,
Exibia na cicatriz o segredo.

No momento procura abrigo
(velhos mitos perseguidos)
Sem valer de coragem ou esforço,
Sem tirar a faca de seu dorso.

Há de se ter força no amor que persiste,
Ao levantar-se refaz o caminho.
Vê a ave que alcança seu ninho
Mesmo a mesma estando ferida.

Ponderações...

Flying under the arm of the Christ statue back in the day with my buddy Luigi Cani   :)  Super fun project but before the HD revolution    :)
Posted by Jeb Corliss on Segunda, 29 de junho de 2015

O segredo é parar de bater o pé falando que o tempo voa e começar a bater as asas voando mais alto que ele.

O problema não é o sujeito ter avidez exacerbada por dinheiro; o problema é ele pensar que todos seguem esse objetivo.

A gente se habitua a tudo na vida; dá-se o nome de flexibilidade. Quando habitua-se com assiduidade, dá-se o nome de comodismo. 

Não nasci cá, nem acolá, nem além ou aquém; sou melhor e pior que ninguém. Vivo o amor e a arte, assim sou do mundo, quiçá limpo ou imundo... mas de nenhuma parte. 

Quando se lida com a vida alheia o erro quase sempre é perigoso, mas não raro! Quando lidamos com nossa própria vida temos a tendência de achar que o erro é raro. Isso o torna tão, ou mais, perigoso.

Livro, música e café são três vícios, ente tantos outros, que atualmente sobressaem no …