Postagens

Mostrando postagens de Agosto 11, 2015

Árvore de Josué

Direção: Betão Aguiar / Produção Musical: Betão Aguiar e Chico Salem / Direção de Fotografia e Câmera: Arthur Roessle e...
Posted by Daniel Dos Santos on Quarta, 3 de abril de 2013

Árvore de Josué

Isolado no deserto, na sombra da grande árvore de Josué
Escrevo alguns singelos rabiscos líricos
Com o pensamento em nossa casa, lá, distante
Em nossos cães correndo, deselegantes...
Vindo de encontro a você.

Por um instante a alma estacionada aqui se eleva
- Não há treva nem angústia
Sinto meu corpo acompanhando
Por dentro de memórias e histórias sublimes.

Sentindo o belo em todos e em tudo
Caminhando na chuva por cima de um arco-íris sem cor
Surdo para qualquer som absurdo
Um banho de chuva e de glória.

Estou no alto e vejo-me pequenino sentado
Estendo as mãos e solto um dilúvio de letras 
Estas se unem formando versos
Eles se casam como uma bola de neve
Banham meu corpo deixando-me ainda mais extasiado.

São dois de mim que se completam
Ilustrei para expor como me sinto
Um porre de absinto de inspiração
Banho d…

Breu da madrugada

Imagem
Hoje, às 19h30, tem episódio inédito do Volta Ao Mundo de Wingsuit. Acompanhe Luigi Cani em dois saltos na Cidade do Cabo. Veja mais detalhes no site: http://bit.ly/1ITH8FS
Posted by Canal OFF on Segunda, 10 de agosto de 2015

As minhas mais longas retóricas
são os amores que carrego na alma
afunilam na mão e na boca 
e despontam pelos meus dedos trêmulos
e minha língua inquieta.

Breu da madrugada

Segue-me nos segundos
dentro do casco, no coração
até mesmo na cálida alma
por que não?

Como música cadenciada
mas sem compromisso
talvez um jazz.

Desenhando meus passos
indicando a direção
e indo além.

Deliberando os sentimentos
e minhas paixões...
Por onde e com quem.
Decidindo os espaços.

Diferencia o mal e o bem
arma-me com espada forjada 
na fidelidade
do mais puro e raro aço.

É regra que quer ser quebrada
No mar, é feixe de luz desviada.

E do nada...
forma um arco-íris mais belo
de fogo abrasador e esmero
visível no breu da madrugada.

André Anlub