A Luz e o Diamante


CXXII

O tempo não andava. Parecia estar com os pés enterra-dos em concreto
E o que é concreto confessar é que do jeito que está sua vida também não anda.
Procura marretas, martelos, picaretas, ajeita-se em mu-tretas. Procura, procurava: o tempo não andava.
A vida estacionada em vaga de deficiente esperando algo diferente e aguardando o hipotético estouro do rebanho.
Ganho ou perda dão no mesmo se este a esmo não se resolve. Não se dissolve o concreto mandando embora o que não vai embora.
O tempo estacionado em vaga de idoso esperando esperançoso que os ponteiros corram soltos e saiam nada vagarosa-mente desse casulo inerente.
Autopoliciamento: multa e guincho. Talvez uma troca de prisão tenha aroma de liberdade.
Pelo menos assim agitam-se! O tempo e a vida liberam as vagas para os que realmente devem ficar parados:
Todos os que sustentam. Todos os que, caso se movam, deixam cair o que repousa sobre os seus ombros. Sobre os ombros dele o peso é o da gravidade – a responsabilidade de não carregar pesos.
E então o tempo não andava, o tempo não anda e ele não entende a relação entre uma coisa e outra, é uma loucura que ele ande para quem está parado e que estacione para quem se movimenta.
Nas loucuras do tempo muitos se afogam, implorando para que ele passe logo ou demore mais tempo. A insatisfação não é culpa do tempo, pois ele é o mesmo e dependendo do ângulo que é visto pode causar, ou não, o descontentamento.
Então, de quem é a loucura? Ele estaciona e desliga o motor.

André Anlub e Rogério Camargo

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer