Ótima semana



Não quero envelhecer 
Tornando-me aquela máquina que não tem opinião, Funciona no automático, nunca sai do controle; a engrenagem devidamente lubrificada e há hora certa para cada função. 
Quero o gosto do sal na língua e no corpo, brisa no rosto, e muita areia nas solas dos pés;
Quero ver nova gente, lugares belos, criar outros versos e acordar cada manhã com um curioso viés.

- Nada disso, nada.
Nem a cruz ou a espada,
Nem um milagre instantâneo,
Até viver litorâneo
Com belo cenário da sacada.

- Nada disso, nada!
Nem amor perdido ou achado,
Tampouco o que ganhou no grito,
Nem um gemer sustenido
Que alavanca o ser amado.

- Nada disso, nada.
Se não houver, minha gente
Meu café bem quente.

Quatro em Salvador:
(26/10/13)
I
É no embalo do calor humano,
Arte que grita no urbano;
Salto das classes
Que falam aos ouvidos,
Destemidos artistas do azul infinito... 

É de sal e saudade,
De real e sonho,
Esperança e destino. 


II
(a merecer) 
O por do sol por trás do Farol da Barra,
É barra não me pôr à mercê
Do (so far) rol dos saudosistas.

III
Moqueca e bobó de camarão,
Vatapá, caruru, azeite de dendê,
Sururu, acarajé, pirão e um assado cação;

Viver só é bem bom
Quando é mais, mas muito mais,
Que o bater de um coração.

IV
Salvador de amor de sol generoso
E poderoso sal de mar de amar...

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer