Quase passou 'em branco'.


"Adeline Virginia Stephen (Virginia Woolf), nasceu em Londres no dia 25 de Janeiro de 1882.

A sua família pertencia à classe média alta. Seu pai Sir Leslie Stephen era crítico literário. Sua mãe Júlia era viúva e foi a segunda esposa de Sir Leslie Stephen. 
Como a maioria das mulheres dessa época foi educada, com sua irmã Vanessa, em casa com tutores e nunca foi à escola. Ter sido educada em casa permitiu-lhe o acesso à vasta biblioteca de seu pai, livros que devorou ao longo da vida.

Virginia tinha 13 anos quando a mãe morreu e 22 quando chegou a vez do pai falecer. Os quatro irmãos foram então viver para Bloomsbury, um bairro londrino da classe média-alta. A irmã mais velha, Vanessa, de 25 anos, tomou conta dos restantes três. 

Em sua casa foi formado o Grupo de Bloomsbury, onde se reuniam regularmente personalidades como os poetas T. S. Elliot e Clive Bell, o escritor E.M. Forster entre outros artistas e intelectuais. 

Em 1904 Virginia começou a escrever regularmente artigos e críticas para “The Guardian”e “The Times Literary Supplement”. Em finais de 1905 foi convidada a dar aulas em Morley College (instituto para mulheres e homens da classe trabalhadora).

Casou em 1912 com o crítico literário Leonard Woolf e quatro anos mais tarde fundam a editora “The Hogarth Press”.

The Voyage Out, de 1915, marca o início da sua carreira de romancista, mas só dez anos depois, com Mrs Dalloway, considerado o seu primeiro grande romance modernista, chegou o reconhecimento como escritora reputada. Orlando, obra de 1928, confirmou as qualidades de Virgina Woolf. Esta obra tem um protagonista andrógino, inspirado na sua amiga Vita Sackville-West, com quem manteve uma longa relação íntima. 
Após obras como A Room of One's Own (Um Quarto Que Seja Seu), onde defende a independência das mulheres, The Waves (As Ondas) e The Years (Os Anos), em 1938 lançou um romance polémico, Three Guineas (Os Três Guineus), na sequência da morte de um sobrinho na Guerra Civil espanhola. Neste livro, Virginia Woolf defende que a guerra é a expressão do instinto sexual masculino.

Em 28 de Março de 1941, depois da sua última crise de depressão e de ter escrito duas mensagens: uma para o seu marido Leonard e outra para Vanessa, sua irmã, enche os bolsos do seu casaco de pedras e afunda-se no rio Ouse onde morre afogada e é arrastada pela corrente sendo encontrada dois dias depois." 

Fonte 'As Mina na História' pág. Facebook: https://www.facebook.com/asminasnahistoria/?notif_t=notify_me_page

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI