Semente da sabedoria

Feio, recatado, do lar, do mar e do bar.


Semente da sabedoria
(André Anlub - 1/1/13)

A voz do algoz berra:

- Vejam arder à fogueira das iméritas vaidades, 
ouçam o grito de dor das nobres madeiras, 
falem das belezas das cores nas chamas faceiras 
e enganem e embriaguem no verdadeiro motivo.

Mas as sementes estão voando
Pelas mãos dos ventos...
Ventos fortes e férteis aos quatros cantos.
Coloridas, leves e levemente polidas,
Buscam o asilo de um solo fértil da mãe terra;

Ao futuro que deve sempre ser o melhor:
E germinam...
Pintam e perfumam o quadro do mundo,
Aquarela de esperança e a raiz fortes;
Divino da beleza que nasce aos olhos,
Sem intolerância e sem guerra.

A árvore maior canta:

- Em toda vida há o relógio automático,
Batidas do coração no tempo e na alma.
Mantendo-se em movimento vencerá a batalha, 
com sabedoria e com a sagrada terra.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer