Um Moinho


Um Moinho

A travessia é dura: dias de chuva - noites de frio; dias bem quentes - noites sombrias. Nesse caminho confuso, nessa estrada sem placas, entre o reto e o obtuso todos afogam suas mágoas. Com a bota furada, pisando em barro ou em pedra, pronto em pé ou na queda, tiro o melhor na caminhada. Se encontro uma rocha grande: serve para descansar; se encontro um mar: sou filho de navegante; se a fome quiser ser minha sombra: como um pedaço de pão... e se não a saciar, posso matar um leão. Tudo posso e tenho, se a força não me faltar. Como um moinho de água, que mesmo se o poço secar, usa o vento para a roda nunca parar de girar.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer