Ótima tarde!




Sonhos de madeira - Sonhos envergados como bambu, enigmas do cérebro, guri e pião; momentos que se quebram em compasso. Sonhos - tempos elusivos; loucos, parcos e incisivos... rasgo na normalidade; despenca do penhasco e nunca toca o chão. No mar revolto e escuro, em um barco ou não, fugindo do medo e das grandes ondas que surgem. Correndo e preso na inércia, selvas de matos fechados, chão de galhos molhados em cenários de árvores que pungem. Sou ser de reflexão sonhando acordado, queimando lenhas das madeiras de lei e esculpindo lendas das maneiras que sei. Sei que somos todos – em sonhos – filhos de carpinteiro.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer