Ponderações “nas internas VI”



Ponderações 'nas internas'

A Mentira de pernas curtas, médias, longas, maratonista ou lerda, um dia se enfastia e acaba sendo alcançada.

Posso ser um hipócrita ou, talvez, um louco, mas tenho uma enorme fé; admiro o Budismo como filosofia e chego "bem próximo" do Deísmo como 'religião'; mas nem um tanto o outro interferem nas minhas escolhas (podem até interferir nas minhas opções), faço o que acho certo - sem pisar nos outros -, sem medo de castigos ou "infernos".

Vogo, envergo, vejo e vivo em excelência quando tu estacionas teu pensar vago na vagabunda vaga da minha essência. 

Já se foi o pássaro por entre os coqueiros e a maresia...
Deixando um dedo apontado ao infinito junto ao sorriso no rosto da menina.

O sol está sempre penteado, perfumado, bem vestido... 
Também cortês, fotogênico e amigo;
Ao se pôr, diz: “Jusqu'à demain, bonne nuit!”

O sol por detrás dos negrumes ilumina as colinas mais altas... justamente onde o amor não faz falta.

Não quero paixão egoísta, profunda feita poça de chuva fina, nem paixão quente feito água que o bacalhau se banha; a paixão que quero deixou pista:
Muito beija, muito afaga, não apanha e não amarga... 
É brincadeira de criança...  pera, uva, maça e salada mista.

Aquela gota corriqueira que pinga da torneira é como minha lágrima, amiga, salgada, Temperando meus lábios nesses dias sedentos, pelas lembranças e vazios momentos... sem você.

Vou-me para Pasárgada, recado para o Manoel? 
Levarei vinho e resma para grafarmos na mesma
Poesias inebriadas.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI