Pérfido imaginário



Pérfido imaginário
(André Anlub - 1/1/12)

Distraído com fotos espalhadas pela cama
A saudade está mais perto.
Chega e me cerca, aperta e acerta o que já seria certo no cerne...
(Querer você)

Eu saberia como agir em outras épocas,
Mesmo que falte o mesmo entusiasmo.
Seria simplesmente uma aventura,
Ainda não estava atrás da mais perfeita escultura.

Pensando bem, criarei a própria artista,
Vendo outra dela em vagos corpos.
Lógico que deixarei isso em mistério,
Disfarçarei com toda minha fúria.

No íntimo considero um adultério
Ver o sorriso dela em outras bocas,
Sentir seu cheiro em todas as roupas,
Mas pagarei para ter essa luxúria.

Voam versos de afeto tão cálidos no conforto,
No forno do sentimento;
Voam tão meigos ou salsos,
Verdadeiros ou falsos;
Voam se for de gosto
Ou até desgosto
(assim querendo).

Deleito-me nesse teu jeito tenro quase sofrido;
Que me completas e que me interpretas em poliglotas sensações...
Mostro com sinceridade de emoções que tu és simplesmente minha vida.

Às vezes queremos tanto
Pertencer a tal coisa,
Estar dentro de certo universo,
Que não percebemos que a porta abre para fora (teimamos em empurrá-la)
Quando bastava apenas recuar um pouco
Para a porta se abrir...
Facilmente.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI