Cantar do futuro



Cantar do futuro

Na trilha do som e do cheiro,
Entre outros planejes,
Já havia o longo tempo de um asilo;
E saiu, enfrentou, 
Nisso e naquilo,
Foi certeiro.

Conhecia um pouco de tudo,
E de todos a prudência do cantarolar,
Mas de cor, tão-somente, do sábio sabiá.

O verde vivente evidente,
Fez nuance nos raios dourados do sol,
Que surgiam e sumiam
Ao bailar de folhas,
No cair de sementes,
Da jabuticabeira.

E a comunhão com a quietude,
Ao chegar o negrume,
O que estaria por vir?

E os motores aos ouvidos em dores;
Os odores do carbono a calhar;
O cruzar de mil pernas;
As janelas com visão limitada;
E a empreitada de ser e estar.

André anlub®
(28/9/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI