Nem todo gato mia pro sol nascente


Não trate a vida como uma hecatombe,
Nessa manhã fria,
Cinza, sozinha.
Quero no ínterim que se sinta minha.
Quero que exponha esse amor
Que de certo esconde.

Nem todo gato mia pro sol nascente

Por amor tudo faço
Nada laço
Nada penso 
E tudo posso.

Logo estarei com ela
Em novo sonho, nova ideia.
Em distantes planetas, inúmeros cometas
Mil sentimentos, dez mil momentos
Outras facetas.

Amo os excessos
Nossos sucessos e esquemas.
Desvendando os teoremas
Esquecendo retrocessos 
E anátemas.

Em paz
Abro um gigantesco sorriso
E, nada indeciso, festejo.
Meu desejo não é conciso 
E no benfazejo 
Busco o breve beijo.

Os filhos que não vieram
Mas mantiveram 
Os trens nos trilhos.

Pois é outro dia
E nem todo gato mia
Pro sol nascente.

O embuste está quente
Secando a lama
No rol da fama
Da hipócrita gente.

André Anlub®
(14/5/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer