Haja hoje

Comunhão enxugando os prantos (haja hoje)

Hoje o sol e a vida despontaram com mais fulgores, -Abram as janelas... há rumores reais que haverá farta rima; poesias, declamações, coisas brandas e belas. Vamos todos ao rumo, no cume – Arrumem os tambores. Haverá festança, explodirão os compassos; no passo a passo, na sinceridade, se faz o laço: amizade e união.

Sempre sem nenhum desanimo;
Sempre sem qualquer lassidão.

Povos unidos, mãos dadas e foco ainda mais vivo; paz, sorriso, arrepio, palavras cálidas de conforto. Versos corretos e abertos, nada tardios; os trens nos seus trilhos – todos forjados no aço. Hoje a lua e as letras se abraçaram em aconchego – acendam as fogueiras... há apego e compaixão sob a luz da inspiração; hoje é toque de seda; hoje a aura é avivada, não se emudece mais nada... arrumem a casa, haverá comunhão. Toda a paz do mundo caindo em gotas de chuva; plena abundância do amor; reconstruída a fé e a esperança; saúde dando aos montes em cachos de uva. O ciclo de felicidade dando voltas no infinito e a cada segundo mais e mais sorrisos e gargalhada. Desarmadas todas as facções e exércitos do planeta, soldados com roupas de banho fazendo um churrasco. Só com uma luneta posso ver o mal que está no nada; crianças sem fome/sede e com um futuro abissal; empáfias, crueldades e cóleras morrendo asfixiadas... caem vis preconceitos, caem muros, etecetera e tal. Pessoas que estavam perdidas sendo encontradas, hinos de todos os países poeticamente cantados (à toa, só fazendo assim valer gastar toda a saliva). Presídios se tornando museus e teatros; retratos e pinturas só de natureza ‘viva’; “Guernica” se transforma em um realismo abstrato e toda a censura se foi, depois de descer do seu salto; não existe rabisco, a arte provém de um ínfimo traço. Todos têm o direito de subir em um palco, poetas surgem com os ventos, por todos os cantos; o ego e autoestima do homem se perdem no espaço... Poesia trazendo alegria e enxugando os prantos. (Se sabia o sentido da vida, pegou o caminho contrário. Só para se divertir.)

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer