Amor enfermo


Imagem: no cantinho tirando onda... mas não enxergando nada sem óculos!

Amor enfermo

Quando por fim chegou a mim
Veio de uma forma tão ímpar.
Voou alto nas nuvens
Uma estrela pariu
Desvendou meu enigma.

Simplesmente surgiu
Fácil demonstrar o que sinto
Mais fácil ainda é fazê-lo crescer.
Amor, sentimento infinito
Acabou de amadurecer.

Sem meu escudo e armadura
Frágil a sua mercê.
Submetido a sua postura
Ajoelhado com muito prazer.

Lhe amo, lhe quero... “lhe tudo”
Sou seu e de ninguém mais.
Um ser absoluto
Incompreendido jamais.

Faço em você o meu leito
O deleite do leite que alimenta.
Faço porque lhe quero imensamente
Faço; por que me rejeita?

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI