Dor de cada dia


R.I.P. (descanse em paz)

Dor de cada dia

Subindo montanhas, ao longo do frio de uma nevada,
me encontro e me perco em pensamentos e palavras.
Soltando besteiras que se assemelham a grunhidos,
vou nascendo como um feto chorando,
batendo a língua nos dentes,
que variam de palavras à calafrios.

Por entre mágoas de um ser que é só arrepio,
os caminhos sem pautas,
cada manhã mais sozinho.
Sinto sua falta, de carne, osso e alma,
me fizeram ir sem destino, rumo ao nada, encarar a besta...
Besta essa, menos má e feia, se comparada a minha saudade.

Tenho sonhos, tenho uma dor me sucumbindo,
arrancando minhas entranhas (novamente um rebento em prantos)...

Serei sempre essa criança que espera por você.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Tempo de recomeço