E a moda agora (mais um pouco)


E a moda agora (mais um pouco)

A moda que bate e apanha
Não é crise conjugal
Ou uma lá na Espanha
Tudo importante e banal
Falar fino e ser macho
Ou mais um morde fronha
Não é a cura gay
Ou uma nova alcunha
Alisar o cabelo
Ou pintar sua unha
Não é ser feliz por inteiro
Ser infeliz e um pulha
Ninguém decide se posso
Dar ou não o traseiro
Dar ou não o que é nosso
Cavaleiro ou escudeiro 
Ir à merda ou pra rua
Gritar em uma manifestação
Expor seios, ficar nua
Ou com as bolas na mão
Quem pensa que não pecou
Não ouse atirar uma pedra
Mas dar pedrada em irmão
É virar mais um merda
Defender animais
Tornar-se vegano
Criticar policiais
Dizem que o mundo acaba esse ano
Mas esse tal de Nióbio
Criou uma ação confusa
Ninguém sabe que existe
Pra que serve e quem usa
Na atual conjuntura
Não posso esquecer
O mensalão, o trensalão
PT, PSDB
Mas falando a verdade
Sabemos que existem outros mais
Não estou na idade
Pra dizer “tanto faz”
Temos que logo aprender
A ler, ser, ver e ouvir
Descobrir a verdade
Ser verdadeiro e sentir
Não é mais o crack
Quiçá ser bipolar
Ser pitboy, ter Pitbull
Só falar por falar
Ser um ser correto
Reto politicamente
Ou sexual metro
Fanático vil e demente
Não são as nádegas 
Cheias de celulite
Nem os silicones
Arrisque um palpite
Não é mais dizer
“Imagina na Copa”
E fica Drummond sem óculos
No banco de Copa
Não é ser conivente
Pois o que a pátria parir
Sobra sempre pra gente
Tim-Tim por Tim-Tim
Dizem que o que está por vir
O tal “barbudo” consente
Espero uma pá de cal
Patético e poeticamente
Mas novamente tudo vira 
O grande “etecetera e tal”
Pois todo o povo pira
Quando chega o Carnaval!

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI