Grito sustenido


Grito sustenido

A paixão que é aceita em quaisquer lugares ou formas
No mais raso e no mais fundo
Devidamente preenchido ou oco
Um balde trazendo água limpa, do mais fundo poço.

Em anos que passam, voam
No tic-tac das respirações
No nascimento de novas vidas
Nos leitos dos hospitais
No sexo dos anjos
Ou dos reles mortais
A emoção vai e vem
E fica o etecetera e tal.

Agradeço a chance de tentar novamente
Endurecido coração, mas ainda vivo
Amadurecido, mas ainda brincalhão
Bobo e pirracento.

Com o apoio da lua
Meus olhos de coruja percebem o movimento.
São os amores noturnos, são corações de luz própria
Que se embrenharam no breu soturno.

Com o apoio do sol
Meus olhos não dormem inertes
Passam o dia fitando o futuro
Proseando com a esperança
E jogando charme ao vento.

Tenho a chave da vida
Pelo menos uma delas, pois são milhares
Muitos cadeados, soldas, trancas e grades
Mas tenho uma chave da vida.

Nesse espaço entre o sonho e o real
Armo meu acampamento
Minha vida ao relento, um abrigo
Meu canto no coral do perigo
Minha voz de sustento
Cá, aqui dentro
Ouçam o grito sustenido.

André Anlub®
(11/05/13)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Tempo de recomeço