Natal o ano todo


Natal o ano todo

Chegou o tempo do alvoroço,
Para as crianças é o moço velhinho;
Os olhinhos curiosos em espera,
Em tempos de viver vida eterna.

Há o tempo de reunião em família,
Com copos de vinho, sorrisos – mesa farta;
As lembranças e o altruísmo,
Em tempo de pensar nos ‘vizinhos’.

Natal deve ser tempo de oferenda;
De ser muito mais do que somos;
Doarmos os sonhos, amor e acalanto, 
Guardar em um canto a soberba.

Natal flertando com o etc. e tal,
Em trezentos e sessenta e cinco dias do ano,
Abraços que espantam tantos desenganos
E a vil e sinistra desigualdade social.

Chegou o tal tempo do agora,
De arregaçar as mangas e fazer diferença;
Não importando quais sejam nossas crenças,
Pois no jardim do mundo é o amor que aflora. 

André Anlub®
(17/11/16)

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas