Negros Desejos


Negros Desejos (2010)

Com afinco se afoga em afagos
Declama aos quatro cantos o seu amor
E por esse alguém que não merece
Se ajoelha: assim saem melhor as palavras.

Um momento de fraqueza não define seu caráter
Pois errar além de humano é inevitável.

Desista das investidas!
Pois ela mesma vestida de ouro e brincos de marfim
Despe-se e completamente nua
Se testa e se faz de cúmplice.

Revivendo antigas luas
Amores perdidos e senhores de engenho
Relembrando das ondas tocando seus pés
Trazendo frescor, algas e cobrindo com areia.

Deixando por entre seus dedos...
Pintando sua pele...
Contornando suas veias...
O petróleo rico e podre dos seus desejos.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer