Sim, sim..

O olhar direto, mas discreto, belo, hipnotizante
Olhar falante, esperto, jovem, de moça...
Mostrando a alma pura, mostrando a ausência de agrura
Nos olhos fantásticos da raposa.

Já arredei minha veste preta, vou vestir branco, demiti as carpideiras, e com muito pesar darei "tchau" ao querido espaço Orkut; sinto-me muito triste, pois foi por lá que comecei meus primeiros rabiscos "online"... lá vendi muitos livrinhos ‘Poeteideser’ e fiz diversos amigos; muitos deles extravasaram para uma amizade mais perto, cá fora, com mais cheiro de verso e de gente; felizmente pude partilhar das rimas pessoalmente com alguns poetas e amantes das letras também fora das redes sociais e muitos ainda estou para conhecer. Bem, contudo, novas redes sociais vieram e virão, e a nau poética jamais afundará (nem se tacarem fogo em todos os livros e meios de divulgação), pois a poesia é eternizada no universo de cada ser vivo. 
Em tempo: vão-se os papéis, ficam os enredos.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas