Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 30, 2016

Ótima noite!

Imagem
O florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo.
Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O florista ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista.
Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O padeiro ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro.
Naquele terceiro dia/ veio um deputado para um corte de cabelo.
Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse:
- Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana.
O deputado ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, quando o barbeiro veio a…

Ótimo sabadão

❤️
Publicado por Aline Barros em Sexta, 29 de janeiro de 2016

Meu Rio de Janeiro
(André Anlub - 2/4/09)

Como pode alguém amar tanto um lugar:
- Suas praias, montanhas, que emanam o amor,
Curvas das ruas e de suas crias,
Histórias, memórias, um glorioso legado.

O amor materno que sempre me banhou,
De pequeno até adulto do seu jeito fui criado.

Beleza bronzeada da cor do pecado,
O carinho do toque de sua maresia,
A visão e beleza do nosso senhor.

Fim de tarde (pés descalços) no Arpoador.

Uma estrela do mar e do céu que os meus olhos saciam,
Da primavera ao inverno no seu colo à vontade... 
Quando a faca lhe fere também sinto a dor.

Meu Rio perfeito:
- quero-lhe bem, quero-lhe sempre!
Mostra para o mundo inteiro,
Que você ama (é fiel) amor verdadeiro.

Digo em alto e bom som
Como é bom e quero sempre
Fazer parte da sua história... 

É salutar, mas periga ser um vício;
É no início, na essência onde bulo,
Reviro a memória, o mar e o orgulho
E vejo que nessa guerra vale a pena lutar.

Fim de tarde – Finitude

COMO NOTAR A AGRESSIVIDADE  DA MENTE?Por Monja CoenMOVA filmes  #zen #budismo #buddhism #meditation #meditação
Publicado por Budismo Engajado em Quarta, 20 de janeiro de 2016

Fim de tarde – Finitude – 7/5/2015 

Taras, manias e projeções: trupe rebelde de pássaros perdidos. Eis o fato fictício do inexplicável improviso; fez valer a música desafinada com voz quase nada dentro da canção elegida errada, mas em boa companhia. Abro a boemia com som de interrogação. Abro a mão e leio a linha da vida, sem contramão. Trago, mas não trago o que me viciou e vicia para bem perto de mim, bem ao meu alcance, quase extensão da ponta dos dedos. Não abuso – sequer uso. Cresce no quintal a árvore que enfeita a melancolia de dias obtusos e noites à revelia. Cheira no quintal o cheiro de mato verde ao cair da tarde e da chuva fina. Pinta no quintal o viveiro natural dos amigos de asas, parentes conexos da fértil mente. Não há nada tão belo e tão próximo a mim que meu simples sorriso ao vê-los. Admirar nada…