Postagens

Mostrando postagens de Março 12, 2016

Quatro rabiscos para ler no banheiro:

Imagem
Quatro rabiscos para ler no banheiro:    I Imoral
Dos fascínios de uma única pura sorte, Entrando em uma farta imensidão.
Preparando-me para o seu ego absoluto: - estou chegando maior que o mundo E menor que a palma de sua mão.
Quero ser dono da sua alma, do seu coração; Um pouco do absurdo de nunca ter tido uma vida pura.
Da pureza que lhe é rara E na redundância de minhas palavras, Friso-as bem, antes que emudeço.
Suga tudo que é de bom de tudo E do seu próprio sangue, mesmo que ralo: - Assim que é falha, assim que é fogo Pois assim na palha, tudo é um jogo.
(incendiou a sua casta)
Caminhada perdida e alma penada, Feliz, de encontro ao avesso.
Nunca há derrota, pois de certo a merece. Em todos os seus pecados, padece.
(Imoral, impura, inquieta, imortal) Uma vida de lama se perpetua, No desdém que sua chama queima, Colecionando paixões às escuras...
(nomes não interessam a ninguém)
A religião é descartável? Ou um deus só para chamar de pai?
Órfão já na barriga magra, Aquela raiva que sempre lhe trai.
II Poema futu…

Insone e insano no seno e cosseno do ser

Imagem
Insone e insano no seno e cosseno do ser 
(André Anlub - 15/6/13)

Eu vejo, vejo!
Nas paredes do corredor que leva à cozinha,
Algumas sombras que balançam,
Com as leves e tontas brisas,
Expondo seus desenhos simplórios,
Notórias alucinações, visões dela...
Vou abocanhar meu pão de centeio,
Com queijo coalho e margarina,
E uma fatia generosa de mortadela.
Por enquanto, só por enquanto,
Primeira noite de inverno,
Sem arrepio, sem espanto,
(Por enquanto)
Encontra-se calma e silenciosa.
Quebrou-se o silêncio,
No barulho do meu copo de vodca.
O gelo frenético batendo,
No fino e fanho vidro,
Ao ser mexido pelo dedo.
Olhos mirando o bloquinho,
Sou zanho, sou zen, sozinho.
O álcool companheiro agora me deixa,
Foi estacionar no cérebro,
Criou raiz e espera ser regado.
Convite à escrita,
Sorriso no canto do lábio,
Nos dedos da mão direita,
Uma imaginária tatuagem escrita;
O que há, não diz!
Mas uma letra se esconde por debaixo do anel.
A verdade deve ser sempre colocada à prova,
As horas são escassas
E procura-se o término de um…