Postagens

Mostrando postagens de Setembro 25, 2016

Dueto CLI

Imagem
Dueto CLI  (André Anlub e Rogério Camargo)

Os balões estavam cheios, a banda afinadíssima, aperitivos e drinques em dia e os convidados a caminho. Talvez fosse a festa. A intenção era de que fosse a festa. Mas seria a festa?  A pergunta ecoava pelo silêncio e o vazio do salão, onde de antemão a banda havia ensaiado. Uma tensão de expectativa percorria os olhares, crispava as mãos, entesava as costas. E um sorriso tremia nos lábios. A projeção era tamanha que a cabeça foi pouca para tantas suntuosas, perfeitas e interessantes imagens: O perfeito fracasso, a perfeita frustração, o perfeito insucesso, o perfeito fiasco, a perfeita decepção... A insegurança há tempos ultrapassou o pessimismo – saiu em disparada –, fez a curva do desespero e deixou lá trás o talvez que queimou a largada. São noites dentro de dias. Algumas com lua cheia. Outras cheias de luas minguadas. Em quanto isso, a música espera. São dias fora de dias. Alguns com sol sedento. Outros com fome de mingau salgado de sol. E…

Dueto L

Imagem
Dueto da tarde (L)

A porta aberta para o quarto vazio deixava olhar mas não deixava ver, 
À meia luz tudo era repentino, tudo era tênue e curioso, de uma curiosidade ansiosa, expectante, que procurava esclarecimentos onde só havia hipóteses. 
Com o passo à frente ouve-se o som de um sino, no esticar das mãos sente-se uma leve chuva.
Já não é mais apenas a porta de um quarto vazio aberta. É a porta de um mundo vazio aberta,
Como uma passagem incerta sem seta indicando direção; um vigente vão vazio cheio de interrogação.
O olhar trêmulo, as mãos fixas, os passos suando, a pele tropeçando, eis o avanço inevitável para quem quer saber,
Entra com ar de orgulho, como um mergulho profundo em parca iluminação, tateia com receio, meio que afasta teias de aranha, sentindo a sensação estranha de não estar sozinho.
Há mais coisas num quarto vazio de porta aberta do que os olhos não enxergam quando não enxergam; há a inspiração voando, a paixão deitada, o ódio debaixo da cama, o tempo descompassado.
E há o…