Postagens

Mostrando postagens de Outubro 16, 2016

vivos corais do mar morto

Os vivos corais do mar morto (haja hermenêutica)

A ideia vai e vem à paisana, ouço certo do outro lado da muralha e a imaginação não se esvai como um surto atípico; não me corta feito navalha nem me beija como o fim. Reaparecer requer confiança, é aceitar o dom que foi dado de herança sem nem mesmo querer receber. Tudo fica mais intenso e brilhante quando as barreiras caem; pode-se ver, ouvir e sentir o além, e quando vem a implacável esperança, ponho-me a escrever cada vez mais. O azar eu nocauteio com certeiro soco no queixo; a solução está no fundo do mar: prendo o fôlego e mergulho até lá, mesmo em plena maré cheia. Pude ver belos corais que fazem desenhos que completam os traços nos corpos dos peixes. O feixe da luz do sol incidente faz contentes as arraias que se entregam. Enfim, vou repetindo as dicas que venho recebendo na vida. Adaptar-se é fácil, complexa é a nostalgia; principalmente das farras em família, das ondas que vi o mar oferecer. As paixões incompletas estressam, su…

Haja hoje

Comunhão enxugando os prantos (haja hoje)

Hoje o sol e a vida despontaram com mais fulgores, -Abram as janelas... há rumores reais que haverá farta rima; poesias, declamações, coisas brandas e belas. Vamos todos ao rumo, no cume – Arrumem os tambores. Haverá festança, explodirão os compassos; no passo a passo, na sinceridade, se faz o laço: amizade e união.

Sempre sem nenhum desanimo;
Sempre sem qualquer lassidão.

Povos unidos, mãos dadas e foco ainda mais vivo; paz, sorriso, arrepio, palavras cálidas de conforto. Versos corretos e abertos, nada tardios; os trens nos seus trilhos – todos forjados no aço. Hoje a lua e as letras se abraçaram em aconchego – acendam as fogueiras... há apego e compaixão sob a luz da inspiração; hoje é toque de seda; hoje a aura é avivada, não se emudece mais nada... arrumem a casa, haverá comunhão. Toda a paz do mundo caindo em gotas de chuva; plena abundância do amor; reconstruída a fé e a esperança; saúde dando aos montes em cachos de uva. O ciclo de felicid…