Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 19, 2016

Ótima semana a todos

Vendo o mar calmo num mar em fúria (26/7/14)

E vejo que veio o inverno
E trouxe o sono e deixou o sonho;
A mão cheia que vejo cheia
De dedos na cuia que bebe
Para ir depois ao assanho.

Vejo vindo a música
E afastando o medo
Que não mais o vejo (foi-se, bem feito)...

De repente um velho que vemos
É um avô que vem e que vai
Com os cabelos brancos voando
Ao vento do ventilador.

Tal velho vestido com o seu terno e calça
De sedas puras ou puros pensamentos;
O que causa em real ou em sonho
A vil inveja
Avessa e à beça
Nunca interessou!

Agora finda o inverno,
Advém primavera na vida e alusão;
É fenda aberta para o inferno,
Pois se automutila - pois se “automergulha”. 
(em comum a comunhão)

Em mão achou-se a chave
E também de sol a clave 
(com o sol de bordão)...

Pois é inspiração em redes, em flores, em cores,
Em muitos sintomas compostos
Postos em mar e em fúria
Em (mar em fúria)
Em milhões de amores.

André Anlub®

No vocábulo certo

Imagem
No vocábulo certo (2/8/14)

Num estalo a perfídia, o coração vai frigindo,
Encéfalo em ignição, ideias mortas no momento;
Logo vem a melodia serenando o acessível ouvido,
E os ócios vem em vão e em vão vão prostrados no vento.

O estalo agora se faz apostando nova contramão,
De antemão cria ilusão de um amor sem destino;
No antídoto da bomba caseira, é besteira a presunção,
Faz-se a retaguarda, desfaz-se a mágoa no sincero tino.

Num grito de piedade vem à aclamação do amor correto,
Vai o torto, vem o reto da amante com absoluta lealdade,
Tudo se faz na idade, se faz no tempo, no certo descoberto.

O grito emudece, o sol se acende e foi-se o astro miserável...
A força para o fardo e a farda aposentada pela verdade;
Não há disparidade e todo o vocábulo se entoa admirável.

André Anlub®

Outras línguas

Imagem
O único contratempo de levar a vida a cada dia com mais bom humor, 
é que o mau humor dos outros fica a cada dia mais evidente.

Outras línguas (27/7/14)

Os prot
egidos pe
lo mun
do dos poet
as de estre
las, em ala
medas de calaf
rios, noturn
os, matut
tinos, vesper
tinos... diant
e das bel
as lu
as, dos
bel
os mar
es e lin
dos ri
os...
só, e tão somen
te pod
em est
ar cant
ando pel
a boc
a dos inúme
ros amant
es de afet
os extremis
tas que transm
utam em simp
lórias pa
ixões, lín
guas e pal
avras... e esp
alham-
se nes
sa imensi
dão do mun
do das vari
ações de co
res, cant
os e co
rações.

André Anlub®