A lança e a estrela

A lança e a estrela (de vento em popa)

A plena ponta da lança aponta na direção qualquer de uma estrela; ao som suave da corneta, sua meta – ao sol. Sim, é o giro do mundo girando insano em fleuma, saindo dessa baldia engrenagem “careta”. Nos velhos veios, sangue intenso, vinho – vermelho; foi traçada na vida e na raça, em brasa, a paixão. Intensa tração nas subidas, gordas bigornas nas quedas... faz do branco, do preto, do cinza, da sina: aquarelas. Põe-se para assar na ponta da lança, o camarão; põe-se na balança a alma assaz infinda, porém breve; a consciência torna-se extremamente leve, mas não há – ‘de jeito maneira’ – maleficência que leve. É de praxe o que se presta ser implícito e querer exposição... essencial no pensamento, ignição que nunca é em vão; na fisiologia subjetiva, na filosofia, no simples, no afago, na dor, no corriqueiro, no fantasioso, na lança que alcança a estrela: amor. Na liberdade verdadeira há muitos fantoches e fetiches, mas é concorrência, é gangorra, Sodoma e Gomorra, vertigem... a incoerência e o paradoxo existem em se prender com prazer em tudo, pois os defeitos e achaques que te alimentam, também são os que te consomem. É hora, ao som de um Blues, canto para subir em voz baixa; consenso, sintonia, alma e mente salivantes... na língua, café. Tudo em cima, no clima, no ritmo, os pés estão na estrada, e a entrega enterra quaisquer angústias, astúcias de uma fé. Após o dobrar da esquina surge uma íngreme subida, encaro! Vou-me à rua da calmaria, ambiguidade. O corpo folgado no sentido “calmático” (é a idade); a verve folgada no estado “marrático” (é a saída). A busca sempre existe, e quem insiste permanece; nada inerte, tudo flerte; cada um na sua e na do outro. É na sincera alavanca que se avança ao próximo quadrado; é passando graxa na engrenagem que se cria o novo. Passou da hora, mas reinvento o tempo no tudo; qualquer absurdo não assusta o intento, nem tenta! A força vem de dentro, um “calvático” (a tinta é instrumento).

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI