A mágica do versejar



A mágica do versejar (originalmente escrito em 2006)

De tudo que já vi
Uma coisa me comove
Esse diz que não diz
Esse prende e absolve

Paro e fico pensando
Pego a caneta e "zás"
Encéfalo trabalhando
Um navio deixando o cais

Entro em alto mar
Letras aparecem do além
Velas vou içar
Meu momento zen

Saem algumas escritas
Entram novas lembranças
Desabafos vomitam
Um novo versejar se alcança

Deixo a maré me levar
Não tenho mais remos nem velas
Já sei aonde ancorar
Porto seguro quimera

André Anlub® 

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Tempo de recomeço