Ainda no círculo de fogo

2011


2013


Ainda no círculo de fogo

As tatuagens explodem em queloides feitas de dragão,
Abuso de tal absurdo dentro de um pesadelo fecundo.
A vida em lacunas estreitas formando vias de mão e contramão;
Fantasioso irmão monozigótico – hábil jagunço moribundo.

O círculo se fecha, a flecha circunda o coração;
Não há armadura que resista, visto que o soldado está desnudo.
A emoção se faz em festa e observa o circo em combustão;
Brota abrupta a confusão: dar à vida o que releva, ou dar à alma a nutrição?

Par ou ímpar; pega ou larga; prega ou praga...
Qualquer bicho, mesmo com fome, fugiria com o horror.
A boca abre, os olhos fecham, a mente alarga;
Vem visões derradeiras de holocaustos... mentiras de pescador.

O círculo se fecha tanto que o fogo se torna chama;
É hora da pausa, o minuto da fleuma, o segundo da cama.
Meditação e foco – abstinência e dissolução – trégua e afã...
Na questão do tempo, a dor de hoje será a mesma amanhã. 

André Anlub
(26/01/17)

2016


2017

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas