Olhos e mãos

Olhos e mãos (4/9/11)

Olhos que fitam o azul celeste,
Pensando em um dia desvenda-lo.
Olhos que veem vultos por detrás de ideias
E sabem da capacidade do poder imaginário.

Ousadia das mãos...

Plantam e criam,
Remetendo os seres ao mais adiante mundo:
Ser que fica desnudo;
Ser que fica vestido;
Todo e qualquer atributo.

Olhos que mergulham em longínquas profundezas,
Tirando o corpo físico do lugar comum.
Olhos que trafegam no vão e vêm de letras,
Na mão e contramão de amores e lendas.

Mãos de um ser...

Rápidas, elas desvendam segredos,
Revelam medos da mais delicada forma.
Mãos que transmitem
O que dos olhos já foram vistos... 
Ou até mesmo o que gostariam de ver.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer