Enigma de uma charada


Enigma de uma charada (2009)

Lindos olhos negros
Fuzilam, penetram
Soletram-me.
Anseios obscuros
Menos puros
Tão sinceros, mistérios
Charadas de alguém
Do além.
Profere baixo, sussurrando
Aos prantos.
Língua estranha
Na entranha
Talvez Esperanto.
Confusas, obtusas, sem nexo
Sem moradia.
Conquista-me?
Uma pista...
Sou alquimista.
Estrada apertada de lama
Chuva, cheia de curva
Turva.
Agulha em palheiro
Pingo d’água em oceano
Enorme engano.
Estava presa, represa
Furto, pequeno furo
Forte.
Amor
Furo que se propaga
Sul para o norte
Além da vida
Além da morte.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas