Não sabe o porquê


Hoje tem manga

Pés descalços para encarar a subida,
Alegria do doce na boca,
O melado no rosto,
Ao mundo estar entregue
E a brusca sensação de ser moleque.

Manga fez minha infância,
Subir em outro pé é quase adultério
O vento, o gosto, a fragrância...
Ontem teve manga,
Hoje tem manga
E amanhã é mistério.

André Anlub®

Não sabe o porquê

Não sabe o porquê, nem por onde ou por quem,
Só sabe que dança a dança mais zen;
E dança no embalo do samba da vida,
Na alma o brilhar, bailar dos amores,
Cheia de cores, de festas, de todos;
É a dança frenética, sem ritmo ou tambores,
De velho, menino, gigante que é rei,
De ruas e rios de deuses plebeus;
Se dança na raça e na praça ditosa,
No coreto da vitória e no viés do além.


André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI