Ótima tarde

Ao ver teu choro da fumaça danada,
Senti-me com uma facada, uma dor aguda nos ossos,
Na alma e no peito;
Nos olhos as pupilas dilatam, e na lata a vermelhidão do sem jeito...
Pela carência do ar da armada e a dúbia imposição do respeito.

A impunidade é como um patrono para a contravenção: apoia – encobre – estimula;
A lei e seu longo braço ficam sem a mão: impotente – descrente – nula!

Brisa que abre o portão vem do vai e vem das ondas, ultrapassando o varal, acalentando as roupas; moveu o barco pesqueiro, mudou de lugar uma duna, fez levitar uma pluma e dispersou o nevoeiro; brisa gélida de inverno alegrou o dente de leão, soprou ao rosto, encheu o pulmão; e nas manhãs corriqueiras espalhou o aroma do pão.

André Anlub

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Tempo de recomeço