Ótimo final de tarde!

Belém, saudade de tuas mangueiras, comidas, domingueiras e épocas idas.

Dama de fé

É dama de fé famélica
Vive o amor como um deus
Suas ações são suas vozes
São seus céus, versos e véus.

É dama que simplesmente faz 
Jamais quis fazer parecer
Silencia e desmascara os atrozes
Que respondem com vis falações.

Pros falsos profetas macabros
Ela sorri com suas benevolências
Pois são profetas de mero vocábulo
Que voa sem asa, nem rumo
E pousa na injúria de castos
No deserto das aparências.

André Anlub®

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Parte XI