Aquela fragrância


Na foto: Flávia, Mônica, Eu e uma pança enorme (Caldas - Barbalha/2010)

Aquela fragrância de nova vida,
Da porta aberta do viveiro,
Batia nos orifícios do nariz; como coisa boa...
Fubá fresquinho, coco queimado, doce broa...
Acompanhada por um manacá-de-cheiro.


Belém, saudade de tuas mangueiras, comidas, domingueiras e épocas idas.


Curtindo meu tempo, pois ele é curto;
Um absurdo...
Com tudo no mundo e tudo voa ao vento.
Larguei a tristeza
Cuspi na grandeza com delicadeza
Mostrei o dedo pro desgosto
Com muito gosto.
Senti a brisa no rosto
Saí pela vida.


Dê-me seu melhor sorriso
Aquele intenso, meio sincero
Todo lero, mero siso
Que mexe com meu brio...
Aquele sorriso,
Benevolente, incandescente
Que eu admiro.

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo de recomeço

Folhas secas