Na pequenez do infinito



Às vezes me perguntam se vejo um futuro com mais escritores que livros ou com mais livros que escritores... A meu ver nenhum dos dois tem a menor relevância se não houver mais leitores.

Ponho na pequenez desse periperiaçu
Palavras tépidas de aço
Versos de paixão para a amada
Na paz perseguida pintada
Passo a passo do compasso.

Para viver e conviver melhor é preciso tentar se conhecer sempre mais (qualidades e defeitos). Se questionar sempre e ser seu maior crítico. Vejo muita gente que não se conhece, apontando dedos, criticando e perdendo um tempo precioso com a vida de outros quando a própria vida ainda é um terreno desértico, indômito e quase inóspito.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI