Mais sobre tal arrepio


Mais sobre tal arrepio (25/2/14)

Diga-me tudo sobre o tempo
Sobre nosso amor
E os ventos que levam e trazem.

Se quiser que eu cante
Ou monte num elefante
E vá desbravar o entrave.

A viagem está só no meio
Em sua melhor parte.
Onde na paisagem não há feio
E parece única e conhecida
Mas é lua e novidade.

Os dias são sempre belos
Se libertamos os olhos
Para os aspectos.

Espertos andam sempre lentos
E em certos momentos
Abrem os seus velcros.

Podíamos perpetuar o amor
E passar os anos
Quiçá as décadas
Por que não milênios?

Vejo em equivocado intento
Pessoas engomadas
Com ouro nos dentes
Mas companheirismo em lata.

Agora o vento bate as portas
Fecha as janelas
Tapa ligeiro as frestas.

Tudo agora leva a crer
Que o breu fará morada
Mas não aconteceu.

A luz da nossa história
Iluminou com glória
Toda a madrugada.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI