ótima noite


Compreensão, perdão, amor – a parcimônia de quem cultiva passiflora e a doce monotonia de quem transpira melatonina... Minha candura cascuda e otimista persistiu e venceu uma possível misantropia metediça e movediça.

Fazer parte da paisagem, como miragem; ter esperança com segurança, brio e equilíbrio... é assim que se vive – meu alvitre; é isso que se deve solver – meu parecer. É e será assim do princípio ao fim.

Lá se foi o passarinho, 
Por entre os coqueiros mergulhou na maresia... 
Deixou um frágil dedo apontado ao infinito, 
Colado ao sorriso do rosto da garotinha.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer