Ótima noite

Entrevista que cedi ao FLAL (Festival de Literatura e Artes Literárias) em 3 de Novembro de 2015

(4) Pergunta da amiga Daya Maciel – Como foi a decisão de começar a escrever profissionalmente?

Ainda não me considero – nem sei se quero – um profissional! Na verdade penso pouco no assunto. Acho que em um futuro próximo, por causa da acessibilidade da internet, poderá surgir uma enxurrada de pessoas dividida em três grandes vertentes: a primeira enxurrada de talentos ocultos que serão revelados, arrebatados pela literatura, acorrentados pelo salutar vício e ofício de ler/escrever (farão sucesso e, caso queiram, venderão igual pão quente); a segunda enxurrada de escritores frustrados, que ambicionaram em demasia e focaram em um objetivo muito além de seu alcance... Esquecendo-se da essência das letras – a mágica da escrita –, causando assim desistências ou excesso de contingente no limbo literário (espero que não caiam em depressão); a terceira enxurrada de amantes das letras, que continuarão com suas mentes voando, sentido prazer em escrever, vagando entre o real e o imaginário, felizes por serem o que são e sem a menor pretensão de pretender. A meu ver o ideal é a gente só se frustrar quando quer... só para fugir da rotina! - Encaro a escrita como um hobby arrebatador – quase divino –, um divisor de águas que completou minha maneira de ver e viver a vida, desbastou minha alma e coloriu minha história.

Escrever é expressão, é dar pressão e se exceder; é no viver levar o mesmo com mais emoção. Aos que temem a caneta: que fiquem imbuídos de lançar a flecha, e terão a certeza de acertar, pelo menos, um coração.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer