Bras de fer


Bras de fer

Chegou a hora: a imprensa televisada, falada e escrita
Avisava que a prensa teleguiada, fadada e escrota estava viva;
Bocas rocas se agitam; corpos belos dançam na luz do dia...
No parque os maratonistas atônitos com a rebeldia dos esquilos.

Dentro da filosofia poética regada com um café bem quente,
Acorda a imagem de todos, e quaisquer conjunturas são diferentes.
Visões de veredas verdes não são as mesmas dos azulejos azuis;
A vida por um triz, por um troço, por um treco jamais fará jus.

Nunca é tarde: a euforia toma a pele como uma protetora casca de ferro...
Doutora do tempo, detentora dos versos, inverte o avesso, faz berço do ego.
E outrora, quando a tempestade era eminente, vivia-se o “mate ou morra”;
Agora são outros tempos, coloca-se a faca nos dentes e a roupa para o enterro.

André Anlub
(26/7/17)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer