Impostor



É, sou impostor vivente, 
Fantasioso e sensível.
Pinto com aquarela a imagem de um deus no céu,
Escrevo no papel minha quimera de um ser imbatível.

Entupindo de ideias
cachoeiras de avejões
esse amor de veracidades
suas pegadas, espaçadas 
na areia limpa e macia
pegadas de dança e festividade
da mais pura devoção.
Nossa paixão grita enfática
enlouquece, tonteia
entorpece, abala
no coração, na veia
emoção enigmática.

Feixe de luz na alma
prisma de paz e harmonia no coração
decorei com palavras a vida
sobretudo verdade e emoção.
Sem palavras, com argumentos
com intenções, sem pretensões
sem cenas, com acontecimentos
com e sem adequações.

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Tempo de recomeço

Um Eu qualquer