Das Loucuras (caneta convulsa)


Das Loucuras (caneta convulsa)

É poético, extremamente sagaz, sincero e quase profético;
É adequado e essencial assim como na feira ter banana e limão.
Poesia que às vezes é cubista, às vezes realista, às vezes abstrato...;
Pura arte que pode ser haicai, pode ser narrativa, pode ser abstrata...;
Tanto em um como no outro é hobby, cura, loucura e despretensão.

Fatos e focos, caneta nervosa expondo paixão e traçando uma história;
É sadio ser sábio – temperado com rebeldia – e entender o caso e a ocasião.
Dentro da cachola tem João e Maria, tem rei e rima, tem amnésia e memória...
Página virada tem que ter coisa nova, pois xerocar coisa antiga é aberração.

A caneta é frenética: o suor faz o pior e o melhor irem para a varanda do externo.
A lágrima é estética: cai fácil pela face e nasce um sorriso no canto da boca.
Faca louca que corta a ideia e alegra a mente: tão somente o calor no inverno.
Vaca louca, dando leite, queijo, pondo a mesa: ceia certa na barriga oca.

É pandeiro: letra que faz o samba que mexe o corpo e engorda o bolso;
Na cadencia das estrelas nada cadentes, até os cães largam o osso.

É paradeiro: se despede, guarda a tinta e o intento, pois já pintou o sete;
Na cadeia das artes o prisioneiro tem prazer em sonhar e ser o próprio servo.

André Anlub
(3/8/17)

Postagens mais visitadas deste blog

A chuva bem-vinda

Um Eu qualquer

Parte XI