Postagens

Mostrando postagens de Março 11, 2017

Néctar eterno

Imagem
Néctar eterno

Vem à vista um conjunto de bons absurdos
Da conjuntura que compõe o mundo;
No salutar suga e cospe da seiva 
Há o próprio/impróprio que permeia.

Vem também docemente o claro/escuro bem-vindo,
Surgindo para os que arriscam e petiscam essa luta.
Nuvens nuas e magras; pássaro e porco num garbo dia gordo.
Absorto, o corpo nada abstruso; advinda, interioridade florindo.

Absoluta absolvição; entrega total e insana – abalo estratégico;
À cama a chama, ao chão o ser são e ao céu o que é seu e é só.
À morte, alérgico – à vida, estratégico – à alma, lisérgico;
Há fome e sede de continuar nesse fluxo – do pó ao pó.

Vai toda a aluvião alusiva das línguas vis indispostas,
Antes postas em pedestais; antes replicadoras bestiais.
Ficam as línguas festivas, vestidas de salivas amorosas,
Esputando poesias e rosas, volvendo deleites imortais.

André Anlub
(11/3/17)