Postagens

Mostrando postagens de Maio 4, 2017

Pense!

O livro que fez meu cavalo livre (Parte I - 3/6/13)

A priori tudo está a contento, e sobrevivi!
Lembro-me da vastidão do picadeiro
O cavalo da loucura em galope louco.
Nunca se deixa de fazer pouco
Quando tudo se tem...
É você em primeiro!

Alucinações, parábolas, cogumelos
Nos desenhos, moravam duendes
Pras crianças, eram casas...
Salgados caramelos.

Cavalguei sobre o campo de tulipas
Amassadas pelas pegadas do cavalo.
E na queimada da mata...
Pelo ralo foram-se alguns anos
Pelo corpo farejei meus desenganos.

Chorei ao deparar-me com o tempo perdido
E no dito e não dito que ignorei.
Com a felicidade tinha perdido o compromisso
E no chumaço do chá de sumiço, 
Hoje me achei.

Enfim, estacionado o cavalo.
Dei banho, água e feno
Abri o cercado do terreno
E deixei-o livre ao regalo.

Um final de tarde inspirativo!

Imagem
É como caminhar solitário na China (3/6/13)

Comumente aparecem terremotos
Que abalam estruturas e enfraquecem terrenos.
Nas raízes das árvores, o lamento.
Nas artérias e veias, o sangue esquenta.

Há guerreiros e fantasmas internos
Munidos de lanças e espadas
Com a cabeça em redemoinhos
E sentimentos em explosão.

Há vidas passando em lembranças
Que surgem ao fechar dos olhos,
Nos quentes lençóis em frias noites
No fingir do embarcar nos sonhos.

As emoções são rústicos vigias
Que transitam pelas alamedas vazias,
Passando pelos tugúrios de pedras
Com suas luminosas lamparinas.

O lume dos candeeiros
Por dentro dos nevoeiros
Divide com o amor seu fulgor.

Sagrada inspiração 
E o real do imaginário
São sombras no caminhar solitário.