Postagens

Mostrando postagens de Setembro 10, 2017

Das Loucuras (sebo nas canelas, “fióti”)

Imagem
Das Loucuras (sebo nas canelas, “fióti”)

Olhos para veem e pernas para quem te quero...
Águas deslocam-se para o Sul e águias para o Norte,
O fato é que correm sempre para aonde bem querem.

A sede não acaba e nunca se perde tempo descansando, 
Pois os desencantos não criam raiz em cemitérios.

Suor que cai todo dia é nada de demente “on demand”...
Longas lágrimas que há tempos sumidas, sofridas,
Surgem suaves encantando vidas no corriqueiro das rimas.

Vermes disputam lugar com as lombrigas (barrigas com gases)...
O ego e o talento querem se apoderar de todo indivíduo (não duvido).
Fogueira acesa e pés descalços na areia enterram qualquer pejo...
Mas é sonho, sonhar acordado, não passa de um vil desejo.

Agora se vê verso firme da forma que veio para a briga (e não são fases)...
Nada de arrogante senhor de poesia; nada de arrotar monotonia.
O filhote poético nasceu, cresceu, morreu e ressuscita...
Se ofuscando e poetizando disfarçada no nosso próprio lampejo.

André Anlub
(10/9/17)

Das Loucuras (bípede implume que voa)

Imagem
Das Loucuras (bípede implume que voa)

Ao lado a sombra assombrando como um fantasma;
Amor mal resolvido que me confidencia ao ouvido algo inusitado.
Circula pela veia aquela adrenalina do inventado, malcriada:
Memoria criada em êxtase que se estranha com minhas entranhas.

Sou bípede implume que voa;
Tiro e dou linha pra pipa – assim vivo –,
E passo o cerol quando é preciso.

A mente teima em se contradizer,
Não se aceitar humana (e o faz por fazer);
Quer ser mundana de um modo diferente,
Assim, de repente: sem aval, sem alvo, sem aviso.

Tudo legal, mas hoje almeja uma mutação;
Algo sublime, porém patético; contumaz, porém inédito...
Cão interno, feroz cão louco que abraça a alma...
E expõe em combustão sua carne mais fresca.

Imagina se a sombra não iria querer viver isso;
Flertar com o osso, fitar o fosso e fundir-se em sorriso.
Pense no faz e desfaz da desfaçatez
E o voo se fez nessa amplitude de uma alma dantesca. 

André Anlub (10/9/17)