20 de outubro de 2017

Ótimo final de semana

Inteligência é inerente (genética) e subjetiva; as informações são captadas e armazenadas (ou não) com o tempo. As duas coisas trocam influências o tempo todo, e essas trocas sofrem mutação conforme os caminhos que trilhamos.

“Interiozim”

Fogão a lenha e tutu
Feijão, arroz e angu
Som bom de viola
Criançada vindo da escola 
Feijoada no final de semana
Um suco misturado com cana
Um grilo e sapo pra gente ouvir
Uma boa rede pra dormir
Fogueira a noite
Muito mosquito a zunir
Todos na mão um açoite
Um barulhim de grilo pra deitar
Uma companheira pra acompanhar
Aos sonhos abandonada
Entre pesadelos e tormentos
Indo do tudo ao nada
Entre o inferno e o firmamento
Noites frias, noites quentes
Poesias com um tom de amor
Pensamentos, varias mentes
Nos unimos nesse fervor 
Para evitar ter tédio 
Me encontrei na brincadeira
A infelicidade tem remédio
É só não se preocupar com besteira
Viver simplesmente a vida
Não falar asneira 
Qualquer porta é a saída
Não magoemos ninguém 
Para não sermos magoados
Na vida ninguém é de ninguém
Assim todos seremos respeitados
Provo um beijo de amor
Mas o seu me apetece mais
Nunca quis o de outra...
De outra pessoa jamais

Gaveta de Cima estará por lá! 

#DiaDoPoeta


#DiaDoPoeta

Poetas (releituras) 

- verve frenética, combustão instantânea
Poeta empresta sua alma
Pecador com inocência
Se doa na essência
Fictício - açoitado
Nem por isso coitado
Nem por isso vazio
Mas fazedor de cena no mundo de Alice.

Poeta sonha sempre, isso é certo...
Mas só se atêm nos sonhos que tem com olhos bem abertos.

Poemas na pequenez de um periperiaçu
Palavras tépidas de aço
Versos de paixão para o amado ou amada
Na paz perseguida pintada
Passo a passo no compasso.

Poeta... por aqui, por ali,
Assim o sol nasceu mais vivo...
Viu você de repente,
Menos breve e arredio,
Falar mal da poesia,
Mas arrepender-se contente.

Nos rascunhos da vida uma mímica
Expostos ao mar de conceitos;
Nau de papel frágil à mercê
Em corações atentos ao leito...
Seja no rio, no sexo, na cama, no seio...

Mas...

Poetas respiram e piram
Poetas respeitam e “peitam”...
Uns são pais e todos são filhos
Conspiração da ação do impulsivo.

Anti-herói filósofo

"O André, meu irmão, é um 'professor da vida'" (escrito - mais ou menos assim - nos agradecimentos da dissertação de mestrado do me irmão: Felipe Freitas)


Anti-herói filósofo 

Não me acostumo a recear paixões
Em qualquer esfera
Já com meus quarenta e poucos anos
Afortunado, burro de carga 
Nos caminhos da vida
Em estradas esburacadas
Dias nublados
Na fome, na sede
Na imaginação.

Será que sou anti-herói filósofo?
Que tem a cabeça dura de pedra
De frágil esteatito
Que tem perigosa peçonha
E usa para criar o antídoto
Que tem o coração guardado 
A sete ou oito chaves
Mas deu cópia aos amigos.

A meu ver o amor foi descoberto
Na era Cenozoica, período Quaternário
Perdidos, corações de artistas
Traçados rupestres
Ecos de pesares
Nas paredes das cavernas
Nas mentes apaixonadas.

Opções: barra lateral (acima à esquerda) /// Biografia: clique em "leia mais" (abaixo à direita)

Escritor, autor de seis livros em papel: Poeteideser de 2009 (edição do autor), em 2010 o e-book Imaginação Poética, em 2014 a trilogia...