Voo entre terra e céu, sonho q crio na escrita Lua q derrama no papel, Sol q desbanca na tinta

- Instagram e Facebook - tem poesia por lá -

Instagram

- sigam-me os bons -

Navegue no Site ouvindo um Som


24 de fevereiro de 2017

Laço em pingo d’água


Laço em pingo d’água (Fev/2011)

Um amor quase impossível
Dividido e abstrato
irremediável, irreversível
Sem visão, sem olfato
Sem audição, paladar e tato.

Buscando sair do ostracismo
Além do mais querer
Além de tudo que é vivo
Além do mero prazer.

Se revirando em mil
Conquista a ser feita diariamente
Um enlouquecido jovem senil
Mil e uma faces, disfarces, vertentes.

No âmago do coração
Infinitamente se chamava amor
Tão longe do alcance das mãos
Tão perto do alcance da dor.

Princípio ativo do fim
Primórdios de uma paixão ainda crua
Ilimitadamente para dizer sim
Mas o “não” ainda perpetua.

Busca consolo em quem te quer
Pena não existir tal figura
Roubando o coração de um qualquer
Castrando a paz, implantando amargura.

André Anlub 
Pequena grande história de Glorinha  (26/5/14)

A carne de sol recheada com queijo coalho
A mesa farta de tudo que é local.
Da seca ao céu, do pó ao pó,
Glorinha fez as malas, afinou as falas...
(...) abraços a Caicó.
O ontem ficou refletindo agorinha
Quando a Glorinha arteira chegou pela primeira vez à areia,
Fincou a faca de pão refletindo seu rosto risonho
Realizou seu sonho e desmaterializou todo o mal...
(...) em frente ao mar.
Glorinha de glórias, de prantos e preitos,
Rosto delicado, nariz fino e trejeitos.
Andar leve que faz breve um prever alegre
Desertos de frutas, de nuvem e de sal...
(...) Macau, seu novo lar.
Glorinha rainha, concubina dos livros...
Fixando seus olhos na nova leitura,
O café requentado esfriou novamente,
Fez claro, evidente, o interesse escondido.
Glorinha agora gosta de revista em quadrinhos
Devoradora assídua e sonhadora gritante
Lê, aprende, escreve e ensina
Fez disso sua sina, levou pra sua terra distante.

Andre Anlub

23 de fevereiro de 2017

E é assim...


Antologia Virtual CEN – de Fevereiro de 2017
Parceria de Portal CEN – “Cá Estamos Nós” e Centro Cultural de Maria Beatriz - 

http://caestamosnos54.blogspot.com.br/2017/02/antologia-virtual-de-fevereiro-2017.html

Nova vida

Veio forte batendo de frente, cadenciando o coração...
Aceito então! Com os devidos encargos.
As ações estão evidentes, transparentes e pensadas;
As emoções vêm dispostas, bem-vindas e em explosão.

Erros passados são páginas viradas;
Erros novos são novas desconstruções.

Estaciona, faz a casa e alimenta de cor os dias;
Massageia com mãos de Fada, sublimemente, sublinha a mente.
Evidente: o cuidado se faz presente com seu frêmito,
No aspecto do recíproco, do respeito, do respiro.

Leve e esplêndido como pluma que só sobe,
Em frenética calefação, em ação e em rodopio.

Acertos novos são páginas adornadas, reescritas, 
Na ponta do lápis que desenha e escreve nova vida.

Andre Anlub

E foi assim...



Pink Floyd, O Rappa, Stones ou Jesus Cristo... fases de um mesmo Eu.
Faço dos meus "Deuses" o alter ego da minha consciência.

Sonho sonhado só é só sonho. Mas há o sonho que se assina assanho; e quando sonhado junto torna-se quase utopia. 

Nas ondas da arte navegam a sensualidade, a sensibilidade, o dom, o som e o tom; enfrentam tempestades de críticas e chuvas ácidas de mentes e bocas que se dizem nobres e imaculadas... Mas não são. 

Não vim ao mundo para durar; quem dura é pilha de marca e conselho de avó; vim ao mundo para fazer o que gosto, ser feliz e ter qualidade de vida à minha maneira. Vivo sem me preocupar com o tempo de estadia.


Ótima quinta


Foto: Antologia que participei em 2011! 

Que fatalidade: ao fechar seu zíper, Zappa perdeu seu Zippo; ficou com o fumo, mas sem consumo, sem fogo, sem fósforos; ficou famélico e – quem diria – com fisionomia de abstêmio, perfume de absinto e sorriso de feijão-fradinho.

22 de fevereiro de 2017

O psicopata de si próprio



Fotos: amigos das antigas (parte II)

O psicopata de si próprio é tão amargo quanto o mundo que o cerca. (Tarde de 21 de junho de 2015)

Eis aqui o sabichão, o homem da hora, o dono não só do pedaço, mas da coisa inteira; detentor de grande imaginação ele pensa ser dono, ou pelo menos conhecer, toda a sua completude. Não sabe que é nada além de um minúsculo, ínfimo e insignificante ponto nessa rua, dentro desse bairro, dentro da cidade... e por ai vai... Mas para não ser prolixo: ele é um naco de necas dentro do universo dentro de universos. O ser além do que é si próprio, enxergando um chifre na cabeça do unicórnio, sente-se maior que o mundo, melhor que o mundo, é dono de tudo e todos. Mas o dia fatídico chega, a manhã que nunca deveria ter ocorrido, e ele abre o visível e precioso espaço vazio, o oco, o eco, o eca, que já iria ser aberto algum dia (com ele morto), e coloca um pequeno cérebro dentro, um resquício de alguma coisa, aquele caroço de feijão ou semente de milho que sai ao defecar... Agora ele pega no tranco – então acaba a presunção e a navalha corta toda sua vida, todos os seus sonhos – seu vil e fétido ego –; corta seus pulsos e prepara a forca; agora ele descobre quem realmente é, e o pior: ainda está vivo! A sangria é enorme, tiro de quarenta e cinco em garrafão de cinco litros de vinho... O fluxo é farto, intermitente, mal cheiroso, de coloração baldia e horrível; a sensação de remorso é um osso duro de roer, é um pito de cigarro de quinta (Hollywood sem filtro), é um aperto bem apertado no peito (um nó cego); e tão forte, tão absurdamente forte, que ele morre aos poucos (aos porcos) por dentro, em uma tortura calma e silente; como um ácido com limão e vodca correndo sem pressa pelas veias, sorrindo e cantando Stairway to heaven, indo de encontro ao seu encéfalo. Agora ele fenece, e se liberta, e torna-se algo: o morto. 

André Anlub (21/6/15)


A esperança me recebe de pé


'Neutro é quem já se decidiu pelo mais forte.'
- Max Weber

'Os ricos fazem tudo pelos pobres, menos descer de suas costas.'
- Tolstoi

'O que é roubar um banco comparado com fundá-lo?'
- Bertold Brecht

'O velho mundo agoniza, o novo mundo tarda a nascer, e, nesse claro-escuro, irrompem os monstros.'
- Gramsci

------ // -----

Não se diz ganancioso, apenas não se contenta com pouco;
Só não percebeu ainda que também não se contenta com muito.

Dois dos muitos problemas do endeusamento do dinheiro são: 
Nascer o ganancioso desenfreado e alimentar o frustrado deprimido.


A esperança me recebe de pé

Na busca pela lucidez, deparei-me com teu farto sorriso,
Mesmo que escondido no retrato da folha de papel. Sorri para uma lua de mel num céu limpo, solitário e mudo... E com olhos encharcados de escuro, nada mais pude ver.

Idealizo o beijo largo em sua calma boca; irrealismo é minha alma, sendo louca – pouca – desnuda. Sentindo-me agora uma pluma que sem vento é só o que é, atravesso continentes a pé e dou ré no relógio inconcluso; o tempo vira inimigo, mas a esperança me recebe de pé. E assim vem uma pergunta: o que há de se fazer? – Assistir-me no espelho e ter medo de não me reconhecer? Nada disso importa, sabemos que o momento jamais descansa, e a cada dia nossa andança dá um passo além do alvorecer. 

André Anlub

Magnificência da obra

A espada é erguida
em algum ponto do planeta.
Logo em seguida
derrama-se a tinta...

Da lança chamada caneta.

Magnificência da obra

Ah! Essa vida provisória...
Mesmo no abismo num cisco,
na simplória história,
deixa-me lisonjeado e extasiado
pela dada oportunidade
– aventura – vitória.
Insano subir e descer de escadas,
abrir e fechar de portas,
corriqueiras correntezas
no desvairo das incertezas, 
desaguam nas represas da esperança.
Mesmo que o tempo seja curto,
que o circuito entre em curto,
a vida é um admirável absurdo
na incansável eternidade da andança.
Deixe o mistério ser sua sombra,
verso amigo, pleno e sobra.
Ninguém nunca saberá tudo,
tampouco um pouco que seja,
sobre a magnificência da obra.

André Anlub

21 de fevereiro de 2017

ótima noite

Dê-me seu melhor sorriso
Aquele intenso, meio sincero
Todo lero, mero siso
Que mexe com meu brio
Benevolente, incandescente
Que eu admiro.

Para 2017 não tenho previsão, mas sim provisão. Muitos livros para ler e degustar! 

A lança e a estrela (de vento em popa)
A plena ponta da lança aponta na direção qualquer de uma estrela; ao som suave da corneta, sua meta – ao sol. Sim, é o giro do mundo girando insano em fleuma, saindo dessa baldia engrenagem “careta”. Nos velhos veios, sangue intenso, vinho – vermelho; foi traçada na vida e na raça, em brasa, a paixão. Intensa tração nas subidas, gordas bigornas nas quedas... faz do branco, do preto, do cinza, da sina: aquarelas. Põe-se para assar na ponta da lança, o camarão; põe-se na balança a alma assaz infinda, porém breve; a consciência torna-se extremamente leve, mas não há – ‘de jeito maneira’ – maleficência que leve. É de praxe o que se presta ser implícito e querer exposição... essencial no pensamento, ignição que nunca é em vão; na fisiologia subjetiva, na filosofia, no simples, no afago, na dor, no corriqueiro, no fantasioso, na lança que alcança a estrela: amor. Na liberdade verdadeira há muitos fantoches e fetiches, mas é concorrência, é gangorra, Sodoma e Gomorra, vertigem... a incoerência e o paradoxo existem em se prender com prazer em tudo, pois os defeitos e achaques que te alimentam, também são os que te consomem. É hora, ao som de um Blues, canto para subir em voz baixa; consenso, sintonia, alma e mente salivantes... na língua, café. Tudo em cima, no clima, no ritmo, os pés estão na estrada, e a entrega enterra quaisquer angústias, astúcias de uma fé. Após o dobrar da esquina surge uma íngreme subida, encaro! Vou-me à rua da calmaria, ambiguidade. O corpo folgado no sentido “calmático” (é a idade); a verve folgada no estado “marrático” (é a saída). A busca sempre existe, e quem insiste permanece; nada inerte, tudo flerte; cada um na sua e na do outro. É na sincera alavanca que se avança ao próximo quadrado; é passando graxa na engrenagem que se cria o novo. Passou da hora, mas reinvento o tempo no tudo; qualquer absurdo não assusta o intento, nem tenta! A força vem de dentro, um “calvático” (a tinta é instrumento).