2 de setembro de 2012



Tempo de ser, saber e estar

Seria um sonho dourando meus neurônios
Um enxame de abelhas africanas
Leões e guepardos abandonando as savanas
Tudo por livre e espontânea vontade.

Algumas pessoas estão mais afortunadas
Prazeres expostos e intensificados
Palavras escoando levemente como uma lágrima
Ecoam até o altar da alacridade de cada amanhecer.

É sabido que sempre criamos utopias
Idealizamos nossas vidas, caçamos vitórias
Tão somente estar vivo às vezes é irrelevante
Queremos sempre mais de tudo, mais e mais querer.

Uma pequena história...

Fizeram um drink com amarula, cogumelos, ayahuasca e absinto
Bebeu e agora ele vê o topo do mundo aos seus pés
Num minuto vê-se voando, saindo do asfalto quente
Num segundo o ébrio clama pelo seu sóbrio recinto.

André Anlub

Biografia quase completa:

Escritor, autor de sete livros em papel: Poeteideser de 2009 (edição do autor), em 2010 o e-book Imaginação Poética, em 2014 a trilogia...